O porquê de eu ser anarquista

“Se as pessoas são boas só por temerem o castigo e almejarem uma recompensa, então realmente somos um grupo muito desprezível.”

– Albert Einstein

Muito diferentes são as reações das pessoas quando digo que apóio o anarquismo. Umas ficam horrorizadas, outras não expressam reação por não saber o que isso implica, e a maioria acha que eu saio quebrando tudo pelas ruas. Então hoje eu resolvi escrever para mostrar um pouco do que é o anarquismo no qual eu “acredito”, pois sei que muitas dessas reações se devem à ignorância (num sentido não pejorativo) ou à visão massificada da figura do anarquista.

Anarquia significa “sem governantes”. Só isso. Não significa bagunça, falta de ordem, caos. Uma das coisas que mais irrita um anarquista é ouvir a famosa frase “anarquia é bagunça”. Mas por que as pessoas pensam assim?

A Wikipédia diz: “Anarquia significa ausência de coerção e não a ausência de ordem. A noção equivocada de que anarquia é sinônimo de caos se popularizou entre o fim do século XIX e o início do século XX, através dos meios de comunicação e de propaganda, mantidos por instituições políticas e religiosas.”

Pois bem, trocando em miúdos: esta ideia de que anarquia é bagunça foi difundida pelos próprios detentores do poder na época: os políticos e religiosos. Não é necessário pensar muito para notar que estas pessoas tinham e continuam tendo razões óbvias para ser contra esta corrente de pensamento: incentivar a anarquia seria incentivar a própria extinção.

Outra imagem muito popular é a do anarquista como um rebelde destruidor de bens públicos. Bom, eu nunca destruí nada em nome do que acredito, e a maioria dos anarquistas também não. Houve manifestações não-pacíficas por parte de grupos que se autodenominam anarquistas que acabaram por manchar a reputação de toda a ideologia. Não, eles não são inocentes, o que eu quero dizer é que estes grupos vão contra o que eu acredito, e contra a própria essência da ideologia. Se eles querem o anarquismo usando a força e a violência, acabam por provar que não estão preparados para viver num mundo sem leis, inviabilizando a própria proposta.

Tendo definido o que a anarquia não é, gostaria de mostrar um pouco do que ela é. Não existindo nenhuma espécie de poder ou hierarquia, cada um é responsável pelos seus atos. Este é o motivo pelo qual eu simpatizo com a anarquia, e infelizmente também é o motivo pelo qual eu acredito que ela seja impossível na sociedade em que vivemos. Explico: as pessoas estão acostumadas a agir de acordo com punições e recompensas. Muitas não fazem algo errado porque não querem ser punidas, e quase todos trabalham, por exemplo, pois precisam de dinheiro, ou seja, o fazem por recompensa. É praticamente inexistente a consciência de não fazer algo errado simplesmente porque é errado, ou fazer algo certo porque é o melhor para o desenvolvimento do grupo. E quem dá as punições e recompensas? Aqueles que estão no poder. Na anarquia não existe poder, logo teríamos que buscar outras motivações para fazer o certo e não fazer o errado. Por isso eu acho que não iria funcionar, e sim, iria virar bagunça. Pode chamar isso de falta de fé na humanidade.

As pessoas não estão preparadas para agir com bom-senso, pois foram treinadas por milhares de anos a seguir um líder, assim como nós treinamos um cão dando-lhe um biscoito cada vez que faz algo bonitinho. Se esse cão tivesse que agir por conta própria (supondo que fosse racional como um humano, é claro), ele faria o que bem entendesse; urinar no sofá, por exemplo, já que não haveria punição.

O mesmo vale para nós. Quero acreditar que existem pessoas que continuariam fazendo o certo, mas sei que a maioria não o faria. Muitos já cometem aberrações sabendo que serão punidos, e nem isso os impele. Imagine se não fossem? E o mesmo vale para coisas boas. Você trabalharia se tivesse o suficiente para viver bem? Trabalharia só porque existem pessoas que precisam dos seus produtos/serviços? Trabalharia só para que a comunidade progrida? Posso ir além nos questionamentos: Quem você é quando ninguém está olhando? O que você faria se soubesse que não seria punido ou recompensado por nada?

Nos meios anarquistas rejeita-se a hipótese de que o governo ou o Estado sejam necessários (ou mesmo inevitáveis) para a sociedade humana. Os humanos seriam naturalmente capazes de se organizarem de forma igualitária e não-hierárquica. A presença de hierarquias baseadas na força, ao invés de contribuírem para a organização social, antes a corrompem, por inibirem essa capacidade inata de auto-organização e por dar origem à desigualdade. Mas isso já vem sendo feito há muito tempo, por isso agimos como os cães que citei no exemplo, e acho que não saberíamos “andar com as próprias pernas”.

Eu acredito que um mundo anarquista seria ideal pois traria de volta um bem essencial que há muito tempo nos foi tirado: a liberdade. Liberdade total para decidir nossas vidas, e para entender as consequências que atos individuais trazem ao coletivo. Liberdade física, de gênero, de pensamento, de ação, de expressão, de usufruto consciente dos recursos humanos, sociais e naturais, de negociação e interação, de apoio mútuo, de relacionamento e vinculação sentimental, de fé e espiritualidade, de produção intelectual e material e de realização coletiva e pessoal. Liberdade que só existe sem gente mandando na gente.

O objetivo deste texto não é fazer ninguém se tornar anarquista, até porque um dos meus princípios é a não-doutrinação, como diz George Woodcock:

O anarquismo tolera variações e rejeita a ideia de gurus políticos ou religiosos. Não existe um profeta fundador a quem todos devam seguir. Os anarquistas respeitam seus mestres, mas não os reverenciam, e o que distingue qualquer bom texto que pretenda representar o pensamento anarquista é a liberdade doutrinária com que os autores desenvolveram ideias próprias de forma original e desinibida.

Não faz diferença nenhuma para mim qual é a sua escolha política, religiosa, sexual etc, e eu não acho que só as minhas escolhas são as certas, nem que você tem que mudar a sua. Apenas escrevi porque vejo muita falta de conhecimento no assunto e sei que tem pessoas que buscam compreender melhor antes de julgar.

Por fim, gostaria de dizer que não acho que a democracia dê a liberdade que o ser humano merece. Você tem o poder de decidir, mas só entre opções pré-selecionadas. Você pode escolher entre verde,  amarelo ou azul, e acha que está tomando as próprias decisões. Mas se abrir os olhos, vai notar que existem milhões de cores que não lhe foram oferecidas.

Imagine there’s no heaven
It’s easy if you try
No hell below us
Above us only sky
Imagine all the people
Living for today
Imagine there’s no countries
It isn’t hard to do
Nothing to kill or die for
And no religion too
Imagine all the people
Living life in peace
Anúncios

2 comentários em “O porquê de eu ser anarquista

  1. aristeu disse:

    achei o texto bom, porem, descordo da forma que tratou a quastão da violencia… o ponto é que existe diferença entre violencia e auto defesa… e na luta contra o estado e seus defençores nada se da como em um conto de fadas… a realidade é muito pior…
    bom, se quiser continuar debatendo escreva!

    • Bella disse:

      Olá Aristeu, como vai?

      Interessante seu ponto de vista. Mas concorda que se não houver violência, também não há necessidade de auto-defesa? Uma coisa leva a outra.
      Com certeza a realidade é pior, por isso defendo que a anarquia só funciona na teoria. Infelizmente é assim.

      Obrigada por comentar!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s